12 de fevereiro de 2010

Confiança

Com meus atos, quebrei o que me é mais valioso. Meu olhar já não traz confiança. Meu calor não desperta mais sua pele. Minha palavra fere seus ouvidos.

Fico sem chão. Sempre quis te proteger. Acordo noites para ver teu sono. Presto atenção nos teus desejos para atender rápido. Cozinho, te alimento. Mas tudo isto perdeu seu valor, pois não há confiaça.

Algo quebrou entre nós e como será daqui para frente?

Se fiz o errado, foi sem querer. Sou maluco, descuidado, desastrado e esquecido. Sou o que você sempre gostou. Você me pediu para mudar e cada dia me esforço. Mas que vou fazer se alguns erros e costumes brotam em minha pele.

Quero tua aprovação de volta. Mas como tê-la? Se ao menos, você esticasse a mão ou me apontasse o caminho.

Preciso de uma cola, desta que não descola, para quem sabe colar cada caco quebrado e reconstruir tudo dos escombros.

Um comentário:

Marcio disse...

Cara, muito profundo e tocante. Muito corajoso. Belo texto.

Postar um comentário