20 de janeiro de 2010

A bailarina



O que aconteceu com a bailarina? Será que enlouqueceu? Ninguém vê mais os seus demi-plié, arabesque e sissone. Onde foram parar suas piruetas. O palco esvaziou. No tablado, já não se ouvem as suas calorosas gargalhadas e nem tampouco seus cabelos loiros e cacheados.

De repente, sem mais e nem porque, já não quis mais ser a Isadora Ducan Tupiniquim e agora é a La Pasionara dos Pinheirais. Pelo jeito até que esqueceu a música de Chico Buarque. Já deve ter pulga atrás da orelha, remela e marca de bexiga.

Dizem que os palcos agora são outros. Trocou a sapatilha pela caneta. Os músculos não se contorcem a cada nota da música. O esforço é por projetos, que possam mudar o mundo, em especial, o dos desválidos. Equilibra-se

Porém, no seu íntimo, quando acorda pelas manhãs, o sonho de bailarina ainda brilha. Parece que até arrisca um passé diante do espelho, antes de se arrumar para mais um dia de luta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário